terça-feira, 3 de julho de 2012

Sai vicio


 Controverso o facebook, poucos de poesia, a maioria, solidão em grupo, parece que mostrar que parecer ser feliz é bacana...com outro verso, virarei banana...

Cassiano Pellenz
 

Solidão em massa


 Que adianta correr para pegar o metro chegar em casa e dar de cara com a solidão? Cassiano pellenz

Alma dança

A alma revelada, dança, pelo mundo, pequeno e agredido, ou pelo mundo, grande e assustador, a alma não cansa de repetir que sua gestualidade é de coisas bonitas, mas ela esta cheia de problemas para resolver, calma, alma, calma!!! O primeiro passo para uma coreografia é tão importante quanto o apse, e não poderão sair da platéia sem que saibam o final, e quando as cortinas fecharem que...ro ver a cara destas pessoas alma, vão sair sem respostas, e você vai descobrir que sua missão no mundo era fazer perguntas. Então alma, dance como se fosse a última vez.
Cassiano Pellenz

Muros Altos


 A escola tinha muros altos, para não fugir. Mas a gente só precisa de muros se a gente não está mais gostando do que nos cercam. E me dizia minha vó que na época dela não tinha cercas, quem dirá muros. Fiquei pensando que na época da minha vó não tinha ladrões e ela disse que existiam muitos. Mas o que não existia tanto eram professores ensinando para vestibular. Ensino era para vida. Refleti sobre a quantidade de gente para ensinar e para aprender. Descobri que na busca por ensinar a gente quer que as pessoas fiquem presas a aprender. E somente aprender, prende e é muito incomodo. Precisamos ter opinião e imaginação. Então precisamos de muros se for sempre assim.

Cassiano Pellenz

Caderno de infância



E a lembrança, que eu não esquecia, que eu estocava e fugia, finalmente me fez chorar... Hoje, olho o menininho pobre, empurrando o carrinho, a mãe pedindo uma vaga para cantar, ou dançar, quem plantou ha de colher - até onde nossos sonhos podem nos levar?

Cassiano Pellenz

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Sonho de criança


Depois que eu sai do circo, iludido pelo mágico dos olhos claros, olhei para a janela da Maria fumaça, vi uma bilheteria abandonada, uma lona suja e imunda, carrossel quebrado, banquinhos velhos, tinta desbotada, era de novo minha imaginação fazendo um circo do nada. Um circo do nada. Rosto de palhaço, lâmpadas ligadas, um velho camarim, e um casebre que dizia: Onde está a felicidade? O velho escrevia num papel, quando a Maria partiu, ele virou a folha em minha direção e estava escrito: A felicidade é agora. Ao fundo uma trupe triste, soltou balões coloridos e me abanou, de longe percebi que chovia, que era escuro, e que lá, onde eles viviam, o tempo não importava, nem as coisas, só os brinquedos . E parti ouvindo um piano, uma gaita e uma linda voz. O meu reflexo sorriu.
Cassiano Pellenz

Ai de você

Se faz uma coisa só, não tem talento, se faz duas, é medíocre, se faz três, quer aparecer, se faz quatro, é um sabichão, se faz cinco, não sabe fazer nada direito, a não ser que seja um Rubem Alves da vida, ai de você se for um pouco feliz, um pouco orgulhoso do que tem, do que é, ai de você se aparecer mais que os queridinhos, se tornar um deles, ai de você ter fãs, ai de você ter namorado, terminar, deixar ele, ai de você falar em adoção, em casamento, em viuvez, em câncer, ai de você ser alguém que eu não queira, alguém que não supra minhas expectativas, eu te policio, te prendo, te deporto, faço ditadura com você. Ai de você ser loira e linda, ter um corpão de dar inveja, ai de você fazer academia, ai de você ser melhor que seus pais. Ai de você ser da esquerda, ser do contra, ter outra opinião, ai de você ser mais e não menos, ser vagabundo, ser artista, ser garoto de programa, por mais que todos queiram, são esses que vão criticar. Ai de você não ser diplomata, não ter alianças, não ter uma família. Ai de você ter brigas com mãe e pai, ter um irmão preso, uma filha lésbica. Ai de você ser rico, ser inteligente, não ter animais, ter influencias, ai de você ser uma bruxa, usar drogas, usar calça apertada, colocar silicone, ser emo, ai de você não ter igreja, ser gorda, usar óculos, ai de você não seguir as minhas regras. Não gostar da minha música, não curtir meu facebook, Ai de você Ai de você se vestir melhor que eu, fazer uma depilação a laser, ter dentes perfeitos, ai de você se ouvir musica clássica, se for um caipira, ou morar na favela, ai de você não ter ido ainda ao teatro, nunca ter feito aula de dança, não saber jogar cartas, não beber álcool. Ai de você se for negro, se for tímido, se for argentino, se for sexy. Ai de você se não tiver carro, não assistiu Amelie Poulin, não tiver ipod, tiver cabelos grisalhos, ai de você não saber o nome do diretor do filme, ai de você acusar um prefeito ladrão, ter um amigo lixeiro, ter ido a psiquiatras, ai de você ser depressivo, ser tradicional, não gostar de ler livros, não ser do time do sogro, ai de você não saber que é Gutemberg, Vivaldi, Gaudí e Stravinsky, Shuller, Jacobs, Frida, Pascollatto, ai de você ter web cam, mas fique tranqüilo, seus segredos ainda mantenho bem guardados, mas ai de você...

Cassiano Pellenz

A velhice


Os anos ensinam que nada era ensaio, que tudo era ao vivo, que a paciência vence a incerteza, em algum momento você sai de baixo do desagrado e sossega um pouco, o tempo vai trazendo marcas, rugas e saberes. Sempre queremos ter os dezoito com a cabeça de hoje, mas não os fios brancos, poderíamos ter feito mais. Arrependemo-nos daqueles caminhos que não fomos percorrer, nunca dos que andamos. Cada ano que passou foi uma roda viva, quando vi já era maio, quando vi já era dezembro, quando vi já tinha filhos, quando vi era muito tarde. Não, não estou esperando me aposentar para viver, nem sei se quero me aposentar, a rotina de acordar ir pro trabalho e para casa e acordar e dormir e acordar e dormir até morrer não é comigo, prefiro ficar no aeroporto horas e horas atrasado esperando a próxima parada, escrevendo estas merdas que eu costumo refletir, pode até ser que eu morra num desastre um dia desses, mas sabe para onde todo mundo vai? Nem eu. Então persigo a certeza de fazer o que eu quero, agora, para talvez não me arrepender.
Cassiano Pellenz

Vampiro


Gosto do gosto do teu sangue. Tenho que manter meu regime diário de você. Também pudera você me enche de olhares durante a noite toda, eu tenho corpo são, mas mente insana. Desconstruo a extensão da distância entre nós como quem desenrola um novelo de lã, e tece ao mesmo tempo. Penetro com força no teu pensamento, até que diga que dói. Que diga que quer. Quer ver minha boca cravada no teu pescoço. Me penduro no teto, de vidro, recolho-me a condição de morcego satisfeito que observa de olhos abertos seus sonhos e te deixo viver. 
Cassiano Pellenz

domingo, 6 de maio de 2012

Datilografia

Virei maquina, o culpado de tudo, escrevo ligeiro, estou ficando mais parecido, menos diferente, estou me adestrando para ser coletivo, menos individual, já me indignei, agora silencio, já perdi, mas já ganhei, quem não imagina de onde eu venho, me julga por ver onde estou, eu desprezo o fato de estar em  um lugar, percebo a volta, mutantes datas, falsificam até a mensagem, que luta lutam? Que artistas querem? Será que esta fortuna é de verdade? Números de objetos a sua volta, aparência de ser uma pessoa feliz. Tem mil lojas, silicone nas veias, plástica na cara e o cérebro não para de minhocar um jeito de ser mais autentica. E quando não nasce, nunca alcança. Como escrever em uma máquina de datilografia, você pode ate comprar textos prontos, dizer que faz e acontece, mas não duram para sempre todas as teclas, quero ver você datilografar a palavra arte sem ter a letra s. 

  Cassiano Pellenz

Roda viva

A vida contorna, e a gente vai aprendendo e mudando. E quando menos espera, tudo muda, anda e desanda, corre feito agua na cachoeira, em direção do mar. E o contorcionista, precisa ir até o outro lado da lona, pois sabe que o show, mesmo com um pouco de medo, precisa continuar."

Cassiano Pellenz

Absurdo

Se o relógio do meu casaco contasse os tempos, sumiria com o baralho de rainhas de cabelo branco, que moram dentro da água do meu aquário. Mandonas criam formulas para espalhar suas idéias em forma de perfume. O problema é que nem tudo tem que cheirar a melancia. Vou levar uma girafa dentro da minha mochila, escondida para subir nos brinquedos dos parques depois vou lá comer pipoca no circo e dormir numa rede bonita. Sem porquinhos da índia me pedindo algodão doce. Por que porquinhos falando ai já é absurdo.

Cassiano Pellenz

Dar corda a felicidade

No sombreado da vitrina da mente, mora um sonho infantil, que não me apetece desistir. Correr sem derrubar a porcelana, chaqualhar a vida por onde passa. Vestido vermelho no vento do tempo. De repente a gente esquece os sonhos, para viver e vive esquecendo tudo. Mas no instante insano em que me lembro de quem a vida me leva a ser. Recordo e sustento o sonho. Como uma maré de fé, lágrimas e movimentos de sal e açúcar. Nunca é como antes, nem agora comportado. Remo sem parar. Remo com e não pela felicidade. E o caminho está novamente traçado.
Cassiano Pellenz

Das chuvas

A chuva vai lavando as ruas e ensinando num ato de simplicidade, a passagem. Amadurecem também as flores e encharcada em seu casulo, a lagarta, vai se libertando aos poucos de toda a ansiedade e angústia. Podia gritar, mas bem alto, agora é livre, por que agora era borboleta, e as borboletas voam para cima e para baixo e são difíceis de pegar... E voava pelos trigos de seus sonhos, com a certeza de que não tinha medo das chuvas. Nem da vida.
Cassiano Pellenz

Boas Notícias

E a gente inventa monstros que não existem e que nunca moraram embaixo da nossa cama. Assusta-se com qualquer batida na janela, com medo da tortura da vida. Quem disse que seria só um conto de fadas? A beleza do caleidoscópio está em mudar. E que bom quando nossos medos são apenas boas noticias, esperança e liberdade. Quando o remédio que temos que tomar, são doses de sonhar.
Cassiano Pellenz

A Grande mudança

Toda mudança gera estudo, gera pensamento, faz pesar prós e contras, faz sentir saudades antecipadas, escolher um lugar antecipado. Toda permissão é coragem, todo acerto é bem vindo, todo o erro é aprendizado, todo movimento adiante dos olhos e dos pés é a vida. A vida da gente. Quem vai não sabe pra quando, quem fica não sabe pra quê. Mas não ha uma receita. O que me torna feliz pode não ser felicidade pra outrem, e o que buscamos pode não ser tudo, pode ser absurdo, pode ser arte, pode ser renovação. Pode ser de um porto, deve ser alegre. E a gente acaba sempre voltando para redenção. 

Cassiano Pellenz

Chegadas e Partidas


To vendendo minhas memórias, minhas fotos, meus quadros, meus livros, ta tudo em bazar, minha arte, meu acervo ...não se pode carregar tudo quando quer adotar-se. 
Cassiano Pellenz

Fantasias coletivas

Procuro crianças brilhantes em adultos polidos, estou descobrindo que vivo num universo um tanto singular, não quero ser um artista póstumo, esta arte que me move é de hoje. E é como se da minha cabeça fossem saindo desenhos, ao encontrar as pessoas certas, os torno verdade. 
Cassiano Pellenz

Uma paleontologia

Flores murchas também tem perfume, agua açucarada, libélula lavadeira, ouço uma música nova, ópera rock, um cigarro para os ouvidos. Quero sentir o caos, de uma nova voz doce e tenebrosa aqui dentro, assim como é escuro, logo nasce o dia, as flores na verdade são princesas com vestidos virados, pescoços gigantes e a cabeça enterrada na terra. Paleontologia de uma era em que as crianças imaginavam mais cor e menos drama. Libélula vive apenas quatro anos, por isso passa por tantas metamorfoses, não a néctar que chega, história que morre, ela procura ser cristalizada, agua doce também amarga. Conto o conto, mas não conto o final.
Cassiano Pellenz

O bispo louco


Vamos jogar xadrez, ele anda só na diagonal, a obra tem espírito, São Jorge vai casar com a virgem Maria? É quase um Édipo, Imagina tudo que você gosta num algodão doce, num carrossel de cavalinhos, num pano feito de histórias, em música de coro de artistas,cantando que Édipo está cego, que todos estão cegos, e esta é a verdade, faz de conta que a terra é o céu. Faz de conta que o varal é cinema, faz de conta que o lençol é barco, faz de conta que o bispo é do jogo. Que está chovendo, que estou jogando, que estou dormindo, que estou sonhando. E a pina já não tava mais lá quando eu consegui dançar com ela. 

Cassiano Pellenz

Ego

Uma idéia limitada na sua cabeça pode mudar outros pequenos mundos fora dela

Cassiano Pellenz

De me


De me algo que vá ecoar nos meus ouvidos, de me logo antes que parte o trem na próxima estação, relembranças de um lugar tão bom e frio e quente que eu passei, de amigos que encontrei, de me algo que aqueça nesta noite fria e perdida do meu coração. De me um texto, para que eu vire uma lenda, uma fotografia, uma carta, um erro banal, de me o infinito dos meus cabelos castanhos compridos, na nudez do meu corpo, de me uma sensível imaginação de mulher, de me fogo e força de homem, e me tornarei espécie que ora deprime e ora celebra, e depois de me dar tudo, mata-me como souber.

Cassiano Pellenz

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Estréia hoje Por um fio 2 na Gnt!

Cassiano Pellenz é assim descrito pelo site do programa:

Idade: 25 anos
Cidade: Porto Alegre (RS)
Pontos fortes: corte e penteados

É um artista, e como tal, é ousado e instintivo. Apesar dos poucos 4 anos de carreira, é muito estudioso e confia no seu trabalho e talento. Não teme as críticas e vai fazer o que seu coração mandar. Um bom garoto, de alma sensível e personalidade forte.

O primeiro episódio vai ao ar hoje. as 22:30 na GNT.